Notícias

15 mar
2022

Cirurgia Endovascular de Aneurisma da Aorta

Nesse vídeo é mostrado como é realizado a Cirurgia Endovascular de Aneurisma da Aorta, uma das duas principais formas de tratamento dos aneurismas de aorta. Algumas equipes de grandes centros estão utilizando esta técnica, também chamada de implante de endoprótese, para o tratamento dos aneurismas de aorta torácica e aorta abdominal.

O Aneurisma é uma dilatação localizada na aorta, que dependendo do tamanho pode romper.

  • Para a correção endovascular cateteres e guias são introduzidos na artéria femural na virilha, sem necessidade de cortes
  • Através de guias por dentro do sistema arterial a endoprótese é implantada
  • Geralmente, desde imediatamente abaixo das artérias venais dois ramos para as artérias ilíacas
  • A prótese se fixa no interior da artéria através da sua força radial de pequenos ganchos
  • Realizado o balonamento para acomodação da endoprótese.
  • O Fluxo de sangue é direcionado para dentro da prótese, excluindo o aneurisma da circulação e eliminando o risco de ruptura
  • Realizada uma angiografia final de controle.

Portanto, a endoprótese reforça a parte enfraquecida da aorta para prevenir a ruptura do aneurisma. Estas próteses são feitas de uma liga metálica chamada nitinol ou aço, que tem alta resistência e maleabilidade e recobertas por tecido (Dacron ou PTFE). O procedimento pode ser feito com anestesia regional (bloqueio peridural ou raquidiana) ou mesmo anestesia local.

Como a cirurgia endovascular é um procedimento bem menos invasivo o risco é menor e a recuperação mais rápida. Entretanto, não é isento de riscos.

Caso de paciente submetido à Cirurgia Endovascular de Aneurisma da Aorta

O mesmo está há 9 anos com 2 próteses torácicas e uma customizada Cook com 4 ramos viscerais (tronco celíaco, mesentérica superior e duas renais).
Bem durante 8 anos.

Se apresenta com endoleak (vazamento) no ramo renal esquerdo e mesentérica superior.

Tratamos de modo percutâneo com punção da artéria axilar e femoral.
 Corrigido com 2 Stents recobertos VBX na origem da renal e mesentérica superior.

 

Siga o Dr. Eduardo Saadi no Instagram e acompanhe de perto mais informações.

QUER COMPARTILHAR ESTE CONTEÚDO?