Aneurisma da Aorta Aneurisma da Aorta

O QUE É Aneurisma da Aorta?

O Aneurisma da Aorta é uma dilatação localizada na parede de um vaso sanguíneo.

Os aneurismas podem se formar em qualquer artéria do corpo, como as ilíacas, femorais, poplíteas e viscerais, incluindo artérias do cérebro. Porém, é mais comum se desenvolverem na aorta, a maior artéria do corpo.

Os aneurismas podem se desenvolver em qualquer parte da aorta-torácica e/ou abdominal. O local mais comum de dilatação da aorta é na sua porção abdominal, logo abaixo das artérias renais.

O Aneurisma da Aorta é uma doença séria

Isso ocorre pois, dependendo do tamanho, pode se romper causando hemorragia interna.

A maior parte dos aneurismas é descoberta de forma ocasional, através de um RaioX ou ecografia abdominal (solicitados por outra razão). A correção do aneurisma depois que se rompe nem sempre é efetiva.

Figura 1. Aneurismas de aorta torácica e abdominal.
Figura 1. Aneurismas de aorta torácica e abdominal.

O ideal é a avaliação cuidadosa do tipo do aneurisma, da localização e do tamanho, para que, em casos indicados, a correção possa ser feita antes da ruptura.

Em geral os Aneurismas de Aorta não causam nenhum sintoma

Os aneurismas crescem silenciosamente, sendo de difícil detecção. Muitos começam pequenos e assim permanecem por anos.

Outros crescem mais rápido por isto devem ser acompanhados com exames periódicos. Em geral os aneurismas maiores tendem a crescer mais e, quanto maior o tamanho do aneurisma maior a chance de ruptura.

É como se fosse um balão (à medida que vai sendo inflado maior a chance de estourar).

Quando o aneurisma é grande ou está crescendo rapidamente, o paciente pode sentir sensação de pulsação no abdome, dor no tórax ou abdome (dependendo da localização) e dor nas costas.

Grandes aneurismas também podem causar sintomas de compressão

No exame o médico pode palpar o aneurisma abdominal, mas aneurismas pequenos e médios são difíceis de serem palpados, principalmente se o paciente for obeso.

Todo o paciente com aneurisma e uma destas manifestações deve procurar seu médico com brevidade.

Sabendo disso, a principal complicação e a mais temida é a ruptura do aneurismas

Portanto, quanto maior o aneurisma maior a chance de romper. Uma vez roto há hemorragia interna. Sintomas de ruptura são:

  • Dor abdominal intensa e súbita com irradiação para as costas
  • Tonturas associada à pressão baixa
  • Palidez
  • Sudorese
  • Desmaio

Os aneurismas também frequentemente tem no seu interior coágulos sanguíneos. Estes podem se deslocar causando isquemia (redução na circulação).

Esta isquemia pode se dar em território do cérebro em casos de aneurismas da aorta torácica e em pernas e dedos dos pés em casos de aneurismas de aorta torácica e/ ou abdominal. Esta complicação é mais rara.

Você sabe como previnir o Aneurisma da Aorta?

Saiba, então, que não existe fórmula mágica ou remédio capaz de prevenir um aneurisma da aorta. Todavia, estudos que avaliam antibióticos e causas genéticas estão em andamento, mas não são conclusivos. Portanto, a melhor forma de prevenir aneurismas é manter os vasos sanguíneos mais saudáveis possível.

Sendo assim, nós da Clínica Saadi, daremos algumas dicas de prevenção.

  • não fumar
  • Fazer exercícios regulares não muito extenuantes
  • Controlar a pressão
  • Tratar a diabete
  • Manter uma dieta pobre em gorduras
  • Controle do colesterol
  • Manter o peso ideal.

Como é feito o tratamento do Aneurisma de Aorta?

Quanto ao tratamento, seu objetivo é a prevenção da ruptura. Nem todo o aneurisma deve ser tratado cirurgicamente.

Contudo, o tratamento depende do tamanho, da localização, da taxa de crescimento e da saúde geral do paciente.

Portanto, como em qualquer procedimento médico a relação risco/benefício deve ser bem avaliada.

Avaliação do tratamento indicado para aneurismas

Em geral, aneurismas de aorta abdominal menores do que 4 cm de diâmetro, sem sintomas podem ser acompanhados de perto com ecografia ou tomografia a cada 6 meses. Um aneurisma da aorta abdominal de 3,0 cm em um paciente de 80 anos pode ser muito bem acompanhado com exames seriados, enquanto um aneurisma abdominal de 6,0 cm de diâmetro em um paciente de 50 anos deve ser corrigido.

Contudo, em caso de observação é importante tratar a pressão alta, não fazer esforço físico grande que implique em aumento da pressão dentro do abdome e não fumar.

Sendo assim, pode ser recomendado, se não houver contraindicações, o uso de medicação chamada beta-bloqueador, com o objetivo de retardar o crescimento do aneurisma.

Aneurismas de aorta torácica ou abdominal grandes, que estão crescendo ou dando sintomas devem ser tratados, e existem duas formas principais de tratamento: a cirurgia convencional e a cirurgia endovascular.

Causas de Aneurisma da Aorta

A principal causa de aneurisma é a aterosclerose. Sendo assim, essa é uma forma de envelhecimento das artérias, com depósito de placas de ateroma (gordura) na parede do vaso, podendo causar obstrução ou dilatação.No caso da dilatação (aneurisma) há um enfraquecimento da parede do vaso e, com o tempo, dilatação deste segmento.

O processo de aterosclerose é lento e pode afetar várias artérias do corpo. Além de causas genéticas os outros fatores de riscos são:

  • Fumo
  • Pressão alta
  • Dieta com muita gordura
Figura 1. Aneurisma da aorta torácica
Figura 1. Aneurisma da aorta torácica

Síndrome de Marfan

Contudo, existem também doenças genéticas como Síndrome de Marfan, onde há um enfraquecimento geral da parede da aorta, mas estes aneurismas em geral se localizam na saída do coração (aorta torácica ascendente) com envolvimento da válvula aórtica.

A idade desempenha um importante papel no desenvolvimento dos aneurismas, principalmente acima de 60 anos e no sexo masculino. Cerca de 5% dos homens com mais de 60 anos desenvolverão aneurismas de aorta.

Portanto, a Clínica Saadi recomenda que em pessoas de alto risco um “check up” vascular com ecografia abdominal deve ser realizado.

Cirurgia de Aneurisma da Aorta

Cirurgia Convencional da Aorta

A cirurgia convencional apresenta-se como uma das duas principais formas de tratamento dos aneurismas de aorta. Sabendo disso, nós da Clínica Saadi explicaremos melhor como esse procedimento funciona.

Nessa técnica tradicional há a necessidade de abertura do tórax ou abdome. Além disso, há interrupção temporária do fluxo de sangue neste segmento da aorta para que a porção dilatada possa ser substituída por uma prótese de tecido que é suturada no local.

Figura 1. Cirurgia convencional de Aneurisma da aorta abdominal
Figura 1. Cirurgia convencional de Aneurisma da aorta abdominal

Há necessidade de anestesia geral. Como o procedimento é de grande porte, o intestino fica paralisado por alguns dias. Sendo assim, a recuperação é mais lenta e o tempo de internação maior.

Cirurgia Endovascular da Aorta

A cirurgia endovascular mostra-se como uma das duas principais formas de tratamento dos aneurismas de aorta. Sendo assim, algumas equipes de grandes centros estão utilizando esta técnica, também chamada de implante de endoprótese, para o tratamento dos aneurismas de aorta torácica e aorta abdominal.

A cirurgia endovascular é relativamente nova. O primeiro procedimento no mundo foi feito em 1991. Por isso, desde então o número de procedimentos não para de crescer e os materiais disponíveis estão cada vez mais sendo aperfeiçoados.

Nesse sentido, ao invés de incisões grandes no tórax ou abdome são feitas pequenas incisões de 3 a 4 cm na região da virilha para se ter acesso às artérias femorais. Através destas pequenas incisões uma endoprótese é inserida por um catéter pela artéria femoral até o local do aneurisma, onde é liberada.

Figura 1. Cirurgia Endovascular
Figura 1. Cirurgia Endovascular

Sabendo disso, assista à animação da Cirurgia Endovascular de Aneurisma da aorta abdominal.

Uma vez liberada a endoprótese redireciona o fluxo sanguíneo, excluindo o aneurisma da circulação. Estas endopróteses, portanto, fixam-se no interior da aorta através de sua força radial ou de pequenos ganchos.

Portanto, a endoprótese reforça a parte enfraquecida da aorta para prevenir a ruptura do aneurisma. Estas próteses são feitas de uma liga metálica chamada nitinol ou aço, que tem alta resistência e maleabilidade e recobertas por tecido (Dacron ou PTFE). O procedimento pode ser feito com anestesia regional (bloqueio peridural ou raquidiana) ou mesmo anestesia local.

https://youtu.be/9uYdQb-bLSA

Como a cirurgia endovascular é um procedimento bem menos invasivo o risco é menor e a recuperação mais rápida. Entretanto, não é isento de riscos.

O paciente deve permanecer em acompanhamento pós procedimento realizando tomografias periódicas, principalmente para se ter certeza do correto posicionamento da endoprótese e para verificar a ocorrência de “endoleaks” (vazamento de sangue entre a endoprótese e o aneurisma). Ainda aguardamos para avaliar os resultados a longo prazo.

Cirurgia Endovascular
Figura 2. Endoprótese
cirurgia endovascular
Figura 3. Angioressonância

Aneurismas Periféricos

Aneurismas também podem ocorrer em outras artérias como ilíacas, femorais, poplíteas e viscerais.

Sabendo disso, veja a seguir um exemplo de tratamento endovascular de aneurisma de artéria ilíaca comum.

cirurgia endovascular
Figura 4. Aneurisma de artéria ilíaca
Figura 5. Arteriografia demonstrando
Figura 5. Arteriografia demonstrando
Figura 6. Endoprótese em ilíaca comum
Figura 6. Endoprótese em ilíaca comum

Como é o pós operatório da cirurgia de Aneurisma da Aorta

Após o implante de endopótese em aneurismas de aorta, algumas rotinas devem ser seguidas:

  • Manter uma alimentação balanceada com pouca gordura animal e controle do sal se tiver pressão alta;
  • Praticar exercício físico regular, com caminhadas 30 minutos por dia;
  • Tomar AAS 100mg por dia (Aspirina infantil): um comprimido no almoço por toda a vida para afinar um pouco o sangue e prevenir complicações da aterosclerose;
  • Se sentir dor ou febre, tomar Tylenol 750 mg de 6 em 6 horas se necessário;
  • Logo após o procedimento evitar dobrar muito as coxas sobre o abdome. Evitar ficar agachado por muito tempo, até que haja adequada cicatrização na virilha;
  • Não pegar sol diretamente na incisão por 4 semanas;
  • Fazer revisões periódicas para avaliação da endoprótese são fundamentais. O protocolo de acompanhamento inclui uma tomografia computadorizada logo após o procedimento, em 6 meses e, após, uma vez por ano.

Perguntas frequentes sobre Aneurisma da Aorta

De que maneira o aneurisma é detectado?

Geralmente os aneurismas da aorta são detectados por acaso durante a palpação do abdome por um médico, ou, mais frequentemente, por exames de imagem feito para outro fim, por exemplo: um homem vai fazer uma ecografia abdominal para avaliar a próstata e um aneurisma é detectado ou uma mulher realiza uma ecografia para avaliar cálculos na vesícula ou ovários e constata a presença do aneurisma. Os aneurismas da aorta abdominal são frequentemente identificados por ecografia do abdome já que são silenciosos. Já a forma mais frequente de detectar aneurismas da aorta torácica é o RX de tórax.

Todo aneurisma da aorta precisa ser tratado com cirurgia?

Não. Em aneurismas pequenos, menores que 4 cm de diâmetro, a probabilidade de ruptura é baixa, então muitas vezes se opta por tratar a pressão arterial alta e acompanhamento de perto para ver se ele cresce. Muitos aneurismas pequenos permanecem assim por anos ou décadas. Sendo assim, cada paciente tem uma evolução diferente, por isto deve fazer uma ecografia abdominal de 6 em 6 meses e, em alguns casos tomografia para melhor avaliação. Quando o aneurisma atinge um diâmetro maior a chance de ruptura aumenta e aí devemos decidir qual a melhor forma de tratamento. Cirurgia convencional ou endoprótese.

A cirurgia do aneurisma possui muitos riscos?

A cirurgia tradicional, feita de forma aberta com cortes no tórax ou abdome, é um procedimento de grande porte. Apresenta risco que varia de 4% a 10 % de mortalidade para os aneurismas da aorta abdominal e de até 20 % para os aneurismas da aorta torácica ou tóraco-abdominal. Há também risco de complicações em outros órgãos e sistemas como pulmões e rins por exemplo. De qualquer forma ainda é um procedimento seguro, muito utilizado e tem a vantagem de termos seguimento a longo prazo, já que o procedimento tem várias décadas de existência. A cirurgia endovascular apresenta um risco durante o procedimento menor por ser menos invasiva.

Figura 1. Equipe multidisciplinar

Como funciona a técnica endovascular (endoprótese)?

Sob radioscopia (filme de RX) intoduz-se um catéter pela artéria femoral na virilha com a endoprótese fechada dentro deste até chegar ao local do aneurisma. Neste local a endoprótese é liberada, fixando-se por dentro da aorta, excluindo o aneurisma da circulação e reforçando a parede fraca.

O procedimento, por ser bem menos invasivo que a cirurgia aberta tem menor risco cirúrgico. Entretanto não é isento de problemas. Por se tratar de procedimento relativamente novo os resultados a longo prazo não são bem conhecidos. Podem ocorrer vazamentos (endoleaks) que em geral podem ser tratados com nova endoprótese. O tempo de internação é menor (média de 3 dias) e a recuperação mais rápida.

Há quanto tempo o senhor utiliza endoprótese, quantos casos já fez e quais os resultados?

Iniciamos a nossa experiência em 2003 e até 2019 realizados mais de 1.000 procedimentos endovasculares, com mortalidade menor do que 1%. A maior parte dos procedimentos foi realizada totalmente sem cortes, somente por punção.”

Todos os aneurismas podem ser tratados por via endovascular?

Não. Temos muito cuidado na avaliação pré operatória porque os resultados do tratamento endovascular estão diretamente ligados a uma adequada seleção de pacientes. Na dúvida, em casos de aneurismas com anatomia desfavorável com colo curto, muito angulado, artérias muito calcificadas e anguladas ou finas não devemos forçar a indicação e optar por cirurgia aberta.

QUER COMPARTILHAR ESTE CONTEÚDO?