Notícias

4 out
2017

Semana da Aorta 2017 anuncia esperança para grupo de risco

Semana da Aneurisma da aorta do RS chama a atenção para doenças da principal artéria do corpo humano

Novo tratamento traz esperança para pacientes idosos 

O Brasil tem mais de 23 milhões de idosos. No Rio Grande do Sul, segundo levantamento de 2015 da FEE – RS – Fundação de Economia e Estatística, o percentual de pessoas com 60 anos ou mais chega a 15,67% da população. Sendo assim, a tendência é de envelhecimento. Comparando com o ano anterior, então, o grupo dessa faixa etária aumentou 2,68% enquanto a população inteira cresceu 0,36%. Ou seja, as pessoas estão vivendo mais, portanto, ficam sujeitas a mais enfermidades. Sendo assim, tornam-se frequentes as lesões na artéria aorta, a principal do corpo humano. Ela absorve o impacto de bilhões de batimentos cardíacos e distribui milhões de litros de sangue pelo corpo todo. As doenças da aorta provocam alta mortalidade. Com os avanços tecnológicos, os tratamentos ficaram mais seguros e menos invasivos.

A Semana Estadual de Prevenção e Combate ao Aneurisma da Aorta, que ocorre desde 2010 no RS, alerta, anualmente no final do mês de outubro, sobre séria lesão da aorta, o aneurisma.

– Há 7 anos a campanha informa sobre prevenção, cuidados e tratamento do aneurisma da aorta. Agora, a doença já é do conhecimento de parte da população. Portanto, com palestras e diversas ações, conseguimos estancar a evolução de aneurismas, frear o aumento de casos e salvar muitas vidas. Sendo assim, nesta edição de 2017, vamos ampliar a atenção para outra enfermidade da aortaigualmente assintomática, grave e que precisa se tornar conhecida, a estenose da válvula aórtica. Portanto, junto com o problema, vamos anunciar a solução, um grande avanço tecnológico no tratamento, o implante transcateter da valva aórtica – antecipa Dr. Eduardo Keller Saadi, cirurgião cardiovascular, idealizador e coordenador da campanha estadual.

Aneurisma da Aorta

Cerca de 5% da população masculina e 0,4% da feminina, acima de 60 anos, apresentam a alteração. É um enfraquecimento num determinado ponto da aorta, na altura do abdome ou do tórax. Pode-se comparar com um balão de festa ou com uma bolha: infla silenciosamente e, quando rompe, provoca hemorragia interna grave, resultando em 90% de óbitos. Apenas 50% dos pacientes com aneurisma da aorta em ruptura conseguem chegar vivos ao hospital. Destes, mais de 50% morrem durante ou após cirurgia de urgência.

Estenose da válvula aórtica

Tem aumentado a incidência da doença por causa do envelhecimento da população. Ou seja, a doença afeta mais de 200 mil brasileiros. Atinge cerca de 6% das pessoas com mais de 75 anos. Caracteriza-se por uma calcificação da válvula (ou valva) aórtica, localizada na saída do coração, que impede o fluxo normal do sangue do coração para a aorta. O fechamento parcial provoca uma diminuição do volume sanguíneo em todo o corpo e uma sobrecarga ao coração. Lembra uma torneira entupida, por onde só passa um filete de água. A qualidade de vida fica prejudicada. A morte súbita é frequente quando a estenose é grave e os pacientes apresentam sintomas como angina, falta de ar ou desmaio.

Campanha de Saúde

O alerta oportuniza a detecção e a recuperação. Se descobertas a tempo de tratar, as duas doenças têm cura. As alternativas terapêuticas são cirurgia convencional ou procedimento minimamente invasivo. O último beneficia pessoas de idade avançada e/ou que têm doenças associadas. Esses pacientes que não resistem a operações de peito aberto e/ou que exijam a parada do coração e circulação extracorpórea agora têm opção de restabelecimento.

– Os métodos minimamente invasivos são indicados para esses casos especiais. Para correção do aneurisma da aorta e da estenose da válvula aórtica é usado cateter. Essa espécie de “fio guia” leva para dentro do organismo a prótese indicada para cada caso. O cateter é introduzido sem cortes (punção) ou pequeno corte num determinado ponto do corpo (em geral, na virilha); é a porta de entrada. O cateter vai artéria adentro, como se navegasse pelo interior de um túnel. A prótese específica é liberada no local do aneurisma ou da válvula aórtica doente. Contudo, o procedimento para aneurisma já é mais difundido, mas o implante transcateter da valva aórtica é um método praticamente novo, revolucionário. Sendo assim, garante que pacientes antes sem esperança de vida agora possam ser tratados com sucesso, com mínima invasão ao organismo e recuperação rápida” – descreve Dr Saadi.

Em vários países do mundo essa é a técnica preferencial!

Os governantes já se deram conta que ela é fundamental para os pacientes com limitações para cirurgia convencional. O Brasil , onde o número de idosos cresce, ainda não tem o procedimento no rol da ANS. Portanto, o implante transcateter não está disponível para a maior parte da população.

– O método ainda está sem previsão de cobertura pelo SUS e pelos planos de saúde, embora já esteja validado pelo CFM e as próteses empregadas já tenham obtido registro na ANVISA desde 2008. Porém, a adoção do procedimento pelas autoridades sanitárias salvaria muitas vidas que não suportam o risco cirúrgico das operações tradicionais e que estão, atualmente, sem perspectivas terapêuticas. Então, a técnica já conseguiu reduzir em 20% o número de mortes por estenose aórtica no grupo de pacientes inoperáveis para cirurgia aberta – afirma Dr. Eduardo Saadi.

Programação da Campanha de Saúde

Dr. Eduardo Saadi dá palestra gratuita terça-feira, no dia 24/10/17, às 19h30 no auditório do Hospital Mãe de Deus (Rua José de Alencar, 286), em Porto Alegre. Portanto, não é necessário inscrição. As primeiras 80 pessoas – acima de 60 anos e que estão no grupo de risco para aneurisma da aorta que chegarem ao evento recebem senhas para exames de imagem gratuitos para detecção das lesões. O mutirão de ecografias será realizado dia 28/10/17, das 8h às 12h, no subsolo do Centro Clínico Mãe de Deus (R. Costa, 30). Então, o resultado sai na hora e as pessoas já recebem orientações para tratamento.

Serviço

Semana da Aorta

Palestra Gratuita

Aberta ao público – Entrada franca
24/10/17 – terça-feira
no auditório do Hospital Mãe de Deus (Rua José de Alencar, 286) – Porto Alegre

Mutirão de ecografias

Com senhas prévias
28/10/178h às 12h
no subsolo do Centro Clínico Mãe de Deus (R. Costa, 30) – Porto Alegre

QUER COMPARTILHAR ESTE CONTEÚDO?